Lucas 16:16 é uma das várias passagens bíblicas que são usadas contra a Igreja Mórmon. Nesta escritura diz o seguinte: A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrara nele. Isto é interpretado por muitos para significar que não existirão mais profetas depois de João Batista. Uma doutrina fundamental da Igreja Mórmon é que existem profetas vivos hoje em dia. Começando com Joseph Smith e continuando até o presente, a Igreja Mórmon afirma que a Primeira Presidência e o Quorum dos Doze Apóstolos são todos profetas, videntes, e reveladores. Aqueles que desacreditam os Mórmons dizem que isso contradiz a Bíblia por causa de Lucas 16:16. Os Mórmons aceitam a Bíblia como a palavra de Deus, mas afirmam que isso é uma má interpretação das escrituras. Essa escritura significa que a “lei” é a Lei de Moisés, e os “profetas” significa que existe um profeta vivo para guiar o seu povo, e ambos cessaram com o ministério do Salvador. Essa má interpretação vem de uma leitura rápida do versículo, ou de uma distorção deliberada para fazer com que não acreditem na crença Mórmon.

<span style=”font-family: “Times New Roman”, Times, serif”>Primeira Presidencia da Igreja Mórmon

“A lei e os profetas” é uma frase usada várias vezes nas Bíblia. Em cada vez que é usado, o termo é um sinônimo de “as escrituras”. Os escritos sagrados usados para ensinar a palavra e as leis de Deus pelos Judeus do tempo de Jesus eram os livros do Velho Testamento. A “lei” se refere aos primeiros cinco livros do Velho Testamento, também conhecidos como Pentateuco: Gênesis, Êxodo, Levíticos, Números e Deuteronômio. Nestes livros estão a Lei de Moisés como dada para os filhos de Israel. O propósito dessa lei era para ser uma preparação para lembrar os filhos de Israel de Jesus Cristo e prepará-los para viver uma lei maior (Gálatas 3:24). O termo “profetas” se refere aos livros históricos e proféticos do Velho Testamento; os livros históricos de Josué até Ester, e os proféticos de Isaias até Malaquias. O propósito destas profecias era para avisar do nascimento de Jesus Cristo. Também incluso no Velho Testamento estão os “escritos”. Estes são os livros “poéticos” tais como Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares de Salomão. Jesus se referiu a essas escrituras como a lei e os profetas em Lucas 24:44. Seu propósito também é o mesmo; eles professam a glória do Senhor e Seu amor por Seu povo. Quando a frase “a lei e os profetas” é usada no Novo Testamento, ela é usada da mesma maneira que “a Bíblia” é usada hoje em dia, indicando os escritos sagrados instruindo o povo de Deus como eles devem viver.

Os Mórmons acreditam que em Lucas 16:16 a “lei e os profetas duraram até João” significa que João foi o último profeta a preceder a vinda de Cristo, o último profeta do antigo convênio. Como Jesus disse: a lei e os profetas – significando as escrituras e o antigo convênio com o povo de Deus – não seria destruída, mas cumprida (ver Mateus 5:17). Os profetas têm pregado e escrito sobre a vinda do Filho de Deus. A Lei de Moisés foi um símbolo do sacrifício do Salvador. Com esse sacrifício, tudo o que a lei tinha simbolizado foi completado; tudo o que os profetas haviam falado havia se cumprido. Daquele ponto em diante, a lei e os profetas não antecipavam a primeira vinda de Cristo, pois ele já tinha vindo e estabelecido o novo convênio. Agora as pregações eram sobre o Cristo que já tinha vindo e o evangelho que ele estabeleceu.

Muito do debate sobre a interpretação de Lucas 16:16 pode ser sobre a definição “profeta”. Como declarado anteriormente, uma definição não claramente entendida é a utilização da palavra “profeta” no Novo Testamento significando escrituras. O Senhor não poderia ter dito que não haveria mais escrituras, porque senão nenhum livro do Novo Testamento teria sido escrito ainda. Uma outra confusão de interpretação pode ser no conceito os profetas como alguém que prediz o futuro. Neste caso seria compreensível porque alguns acreditam que não há mais a necessidade para profetas. Os profetas do Velho Testamento falaram sobre a vinda do Senhor em uma data futura. É uma questão de lógica dedutiva presumir que, porque Jesus Cristo já veio, então não há necessidade de mais profetas. Mais uma vez, pode ser a falsa concepção do papel dos profetas que fazem essa confusão. A necessidade de prever a sua vinda realmente já acabou, mas se os profetas são aqueles que falam pelo Senhor, então a necessidade deles aqui na Terra nunca acabará. E é exatamente isso que os Mórmons acreditam que seja o dever de um profeta. Antes de o Senhor ter vindo, os profetas previram seu nascimento e vida e o período em que Ele haveria de vir. Entretanto, a veracidade das palavras dos profetas é de maior importância, e isto é o que os Mórmons vêem como o papel crucial de um profeta – testificar a verdade. Ao invés de prever o futuro apenas, o papel de um profeta é de revelar, caracterizado pela frase: E assim diz o Senhor…

Agora que pessoas que creram viram a vinda de Cristo como um cumprimento de profecia, e que é parte da história, a visão Mórmon é que as pessoas pensam que os profetas não são mais necessários, citando Lucas 16:16 como uma escritura que provasse isso. Mas os Mórmons acreditam que a Igreja que Jesus organizou e que foi dirigida por seus apóstolos, que pregava o evangelho, e administrava aos que criam, foi restaurada novamente nestes dias. Os apóstolos agiam da mesma forma que os profetas antigos faziam, o que mudava era apenas o título. Eles falam com autoridade em favor de Deus, de coisas passadas e coisas que ainda estão por vir. As revelações não cessaram. Jesus disse aos seus seguidores: Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço. E as fará maiores do que estas, porque eu vou para o meu Pai (João 14:12). Isso não indica que as profecias e os milagres cessaram, mas o oposto disto. Depois da ascensão do Senhor, os apóstolos realizaram milagres, receberam revelações e profetizaram. O espírito de profecia é um dos dons que Paulo falou que devem ser procurados pelos seguidores de Cristo. Neste sentido, um profeta é alguém que fala pelo espírito de profecia, o qual é o testemunho de Jesus Cristo (Apocalipse 19:10). Isso é algo que sempre estará presente entre o povo de Deus.

Apóstolos Antigos

Os Mórmons acreditam na mesma organização que foi estabelecida por Jesus Cristo durante o Seu ministério para administrar o evangelho. A Igreja Mórmon é organizada com um Quorum dos Doze Apóstolos como seus líderes. Esses apóstolos são profetas, videntes e reveladores sobre o novo convênio que o Senhor declarou durante o Seu ministério. Eles falam a vontade do Senhor como profecia, a qual tem mais a ver com verdades do que com coisas que estão por vir. Em Lucas 16:16 Jesus disse que a lei e os profetas duraram até João. Isso significa que o antigo convênio com os filhos de Israel, escritos e ensinados nas escrituras daqueles dias, foi cumprido. Agora existe um novo convênio para o povo de Deus, com novas leis e novos profetas.

Apóstolos Modernos – Mórmons

Voce pode pular para o fim e responder. Atualmente não é permitido fazer ping.

Deixe uma Resposta